quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Waldemar Costa – 80 anos e um livro


O jornalista, amigo e companheiro de algumas jornadas Waldemar Costa neste janeiro de 2017 rematou 80 anos de idade bem vividos. Antes de se aposentar e se recolher ao retiro na mansão da Rua Baronesa na Praça Seca, deixou a marca do talento profissional no Jornal dos Sports, O Jornal, Agência AP, Rádio Tupi, além de ocupar o cargo de assessor de imprensa na ECT. Waldemar Costa nasceu em Bento Ribeiro, mas foi no Vale do Marangá que viveu toda a vida.

A segunda paixão de Waldemar Costa – a primeira é o jornalismo esportivo – é o xadrez aquele jogado com estranhas peças arrumadas num tabuleiro de 64 casas pretas e brancas. A terceira paixão de Waldemar Costa é o bairro de Jacarepaguá, exatamente na Praça Seca, onde ajudou a fundar o clube de xadrez PSXC e ainda dirige a seção de xadrez do Jacarepaguá Tênis Clube onde organiza torneios o ano inteiro.

Nas horas vagas Waldemar Costa perde tempo correndo atrás da burocracia e de políticos para realizar seu sonho de fundar a biblioteca do bairro onde poderá disponibilizar ao público e às escolas todo o acervo que juntou – organizou e guardou zelosamente – no exercício do jornalismo, na direção de entidades e clubes de xadrez do Rio de Janeiro, no comparecimento aos mais importantes eventos enxadrísticos em que esteve presente como atento observador.

Enquanto isso não ocorre Waldemar Costa vai publicando o registro de sua passagem pelo planeta Terra: O Vale do Marangá, Gol do Brasil (ambos em 1986), Epopeia do Campeonato Brasileiro de Xadrez Vols. I e II (1993/1994), Imagens de Jacarepaguá (1995), três romances: O estigma da cruz de rubis, O paraíso azul (ambos de 1997) e O ferrador (1998).  A Epopeia do Campeonato Brasileiro de Xadrez, publicação única no gênero, teve reedição pela Editora Solis em 2009. Depois veio: Aventura na História de Jacarepaguá (2011), Enciclopédia dos nomes das ruas de Jacarepaguá (2012), Aventura do xadrez no Jacarepaguá Tênis Clube (2013), História de Bento Ribeiro, no qual se redime ao bairro de nascença e O Jornal dos Sports do meu tempo (2016) onde narra toda a sua trajetória de 20 anos exercendo jornalismo no jornal cor-de-rosa – o primeiro dedicado exclusivamente aos esportes.

Segundo conta o próprio Waldemar Costa na Introdução dessa obra, "O Jornal dos Sports foi fundado em 13/03/1931 pelo jornalista Argemiro Bulcão Miragaia. A primeira redação foi na Rua São José 77/79, no Centro do Rio Janeiro. Bulcão formou equipe diretiva de grandes jornalistas esportivos da época: Secretário - Isaías Rosa, Redator-Chefe - Tenório de Albuquerque, Gerente: Álvaro Nascimento. Álvaro permaneceu no Jornal dos Sports até 1982, ano do seu falecimento. Foi um dos jornalistas do meu tempo no JS". Não há dúvida, porém, que o grande nome do periódico foi o jornalista e escritor Mário Filho – autor do emblemático livro O negro no futebol brasileiro (1964). 

E agora que completou 80 anos Waldemar Costa lança mais um livro: A gênese da Academia Brasileira de Letras (Editora e-papers, dezembro de 2016), no qual executa um trabalho minucioso e esquemático de reunir os fatos e notícias que antecederam a fundação da ABL por vinte e tantos literatos capitaneados por Machado de Assis. 

Acredito que com esse livro Waldemar Costa volta às raízes jornalísticas, pois se trata da recriação cotidiana não só dos passos iniciais – desde que a mera ideia da ABL surgiu – mas que vai até até o magnífico discurso de inauguração feito pelo Secretário Geral da entidade Joaquim Nabuco na sede provisória cedida pelo centro de ensino cultural Pedagogium, em 20/07/1897. 

Parabéns e obrigado Waldemar Costa. Tenho orgulho de ser amigo de alguém que não passou a vida em vão – o que torna grata esta convivência de mais de 50 anos.

O site do Waldemar Costa é: www.wsc.jor.br/


Rio de janeiro, Cachambi, 25 de janeiro de 2017.
Postar um comentário