segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Autor: Franklin Maxado Nordestino

ESTAMOS RUBROS DE RAIVA
ABAIXO A COPA DO MUNDO
CHEGA DE DEMAGOGIA
BASTA DE IMPUNIDADE
PELA EDUCAÇÃO E SAÚDE
SEGURANÇA E CULTURA
ORDEM E PROGRESSO!

                     

Se Deus é brasileiro
O Céu é uma anarquia
Pelo que tem o Brasil
Só pura Demagogia
É o país do Faz-de-Conta
Cheio de Burocracia.

Pro cidadão brasileiro
Se exige mais respeitos
Paga como contribuinte
Os tributos sem direitos
Porém só o que ele sente
É mentira e desrespeitos.

Cada dia aumenta taxa
E imposto sem dar nada
Apetite dos políticos
Come tudo na sentada
Nutrindo a corrupção
Com a Nação atrasada.

A juventude volta às ruas
Como na era das Diretas
Depois com caras pintadas
Pra derrubar entre metas
O Collor da Presidência
Ficando as gentes quietas.

Se o nosso Castro Alves
Vivesse também estava
Junto com os cordelistas
E contra os maus bradava
Ia para as praças públicas
E com todos protestava.

Teria aumento de ônibus
Como a Derrama mineira
Tal pretexto de protesto
De Inconfidência Brasileira
Por motivo de tarifa
Para não ser rotineira.

O povo está nas ruas
E tem reivindicação
Quer Saúde Segurança
Justiça Educação
E no lugar disso tudo
Só nos trazem inflação.

Gostamos de Futebol
Mas esta Copa do Mundo
Tem secretas intenções
E interesse segundo
Ou exploração total
Tornando evento imundo.

Trouxeram agora esta Copa
Do Mundo de Futebol
Para enganar o povo
Gastarem fora do rol
Criando estádios de luxo
E nos deixar na pior.

Perdemos soberania
Para o que a FIFA quer
Acabam pistas olímpicas
Pra outro esporte não ter pé
Vão ser elefantes brancos
Após passar o banzé.

Se gasta o que se tem
Pra obras essenciais
Como portos ferrovias
Aeroportos e mais
Que criariam progresso
E bem-estares gerais.

Fazendo um mar de obras
O Brasil deslanchará
Tendo desenvolvimento
Sem procurar tapear
Sem inventar as mentiras
Pra poderem nos roubar.

Mas os políticos acham
Que são donos do país
Dão esmolas para pobre
Iludindo ser feliz
Quem tem sua consciência
Luta para não ser infeliz.

Agora se volta às ruas
Por Brasil indignado
Protestando contra coisas
Pois tudo é maquiado
Se esconde realidade
Com preço inflacionado.

Até velho como eu
Não vai se acovardar
Vamos unidos vencer
Não vamos nos dispersar
Marcharemos bem unidos
Que nada vai nos separar.

O povo está desarmado
Mas sai para protestar
Os ladrões é que se armam
Para matar e roubar
Estuprar e ainda mais
Se presos podem ganhar.

O jovem não pode não
Ajudar para o sustento
Da família e trabalhar
Num serviço leve e lento
Aprendendo a profissão
Que pode ser mantimento.

Pois trabalho é estudo
E se aprende ganhando
Não pode é ficar quieto
Sempre se desocupando
Sem ter responsabilidades
Em nada colaborando.

O Governo só dando
Bolsas sem retribuição
Acostumando o povo
Na preguiça e fruição
Só dando mais direitos
Sem nenhuma obrigação.

Ele fez uma propaganda
Oficial em que diz
Que ser uma prostituta
É uma vida feliz
Influenciando jovem
A fim de ser meretriz.

As moças querem parir
Mesmo sem ter certo par
Somente pra receber
Auxílio para gastar
E o filhinho coitado
O mundo é quem vai criar.

Com os índios é outra
Forma de Demagogia
Estão criando países
Dentro da soberania
Já tem gente da cidade
Dizendo ser de etnia.

Também dizem que os negros
Devem ter indenização
Então de Portugal cobrem
Foi quem trouxe a escravidão
Todos nós somos mestiços
Quer seja branco ou não.

Muito pobre lusitano
Veio cá pra trabalhar
Deu duro economizando
Para família formar
Se meteu com negra e índia
E nova raça criar.

Como o Brasil é grande
E rico em seus recursos
Estrangeiros criam ONGS
Pra ministrar seus cursos
Defendendo minorias
Agindo tais amigos ursos.

E assim metem a mão
Criando desarmonia
Exploram todas as riquezas
Com modos de garantia
Ensinando a mentir
E ganhando a mais-valia.

Somos todos brasileiros
De várias origens e cor
Não vamos nos dividir
Semeando o desamor
Lembrando de diferenças
Quando união é fator.

Queremos ser irmanados
Não queremos dividir
O país como despojos
Nós vamos é nos unir
De norte a sul de  oeste
A leste para o porvir.

O Brasil é um gigante
Dorme mas se levanta
Como agora se registra
Vai para as ruas e canta
Protestando por desmandos
Com finalidade santa.

Não se quer nenhum Partido
Pra nossa representação
Porque atuais políticos
Praticam corrupção
Como regra normalíssima
Que quase não há exceção.

Os nossos representantes
É o avô pai cunhado
O irmão filho sobrinho
Genro e apadrinhado
Tal uma ação entre amigos
Disputando o eleitorado.

E o povo é palhaço
Se vendendo pra eleger
Aqueles em que família
Já faz parte do poder
Alguns recebem dinheiro
Pois sonhos não podem ter.

Lutei pela Anistia
Por Diretas e Abertura
Com meu Cordel inocente
Fazendo Literatura
Reivindicando Saúde
Educação e Cultura.

Minha missão de poeta
Do povo e nacional
Denuncia e requer
Realizar ideal
Do Brasil pra ser Nação
Dar exemplo mundial.

Pedi a Democracia
Tirando os militares
Mas políticos que entraram
Quiseram ter caviares
Sorriem tripudiando
Enganando com esgares.

Queremos mais a Cultura
Saúde Educação
Justiça para o Nordeste
Obras pra toda Nação
Sem propinas e desvios
Matando a corrupção.

Acabar os privilégios
Como os saldos bancários
Que os bancos cobram taxas
Comendo os nossos salários
Emprestando a juros altos
Com seus atos salafrários.

Porque toda a classe média
Paga a Demagogia
De ajudas e migalhas
Pra criar cidadania
E para as autoridades 
Farrearem na orgia.

Até mesmo o juiz
Vira grande marajá
Cheio de mais regalias
Demorando a julgar 
Deixando as tetas pingando
Pro político mamar.

Não se quer olhar estrelas
No céu azul da bandeira
Se quer Ordem e Progresso
Numa paz bem verdadeira
Num verde de esperança
Mas em rubra gritadeira.

Vamos usar a Internet
Este invento americano
Que é bom pra nos unir
E divulgar nosso plano
Deixar a gente sabendo
Pra não se ter mais engano.

Não vamos nos dispersar
Já o Ulisses dizia
Mas em frente pra mudar
Com a meta que unia
Se ficarmos assim se vence
E vira Democracia.

O Brasil se torna um céu
São Pedro fecha o portal
Só entra quem quer trabalho
E sai quem é marginal
Aí o chefe é deus
Será então o maioral.

Vamos ser civilizados
Convocando o irmão
Informando o que se passa
Com toda nossa Nação
Combatendo o vandalismo
Que aproveita ocasião.

Também não perdoaremos
Os políticos corruptos
Cadeia pra eles é pouco
Pois sempre serão uns putos
Por mais que sejamos cristãos
Teremos de ser resolutos.

Muito mais podia ter
Anunciando em protesto
Xeretando os nossos males
Aqui o meu grito presto
Demagogia terá fim
O que eu disse é honesto.

Feira de Santana, 19 de junho de 2013
Postar um comentário